01 novembro 2016

Novembro chegou e com ele, muitas expectativas . Uma delas é de que tudo  terminará bem e claro, o próximo ano virá repleto de bênçãos e faremos tudo que não  conseguimos fazer esse ano.
kkkkkkk  Todo final de ano é assim. Ao menos comigo, é! Vai chegando o final do ano e vou colocando na balança tudo que fiz , para reavaliações e então pesar o que de fato valeu , para que no  próximo ano, pese menos o fardo a ser carregado.

2016, até agora , foi passando, passando e passando passou! Vivi intensamente cada momento e não me arrependo de nada que fiz. Só uma pontadinha de dúvida sobre  " se não deveria ter feito ainda mais" !!! Mas do que vivi, amei!
Visitei amigos, e até os que não conhecia , visitei. Proseei bastante e fiz parcerias incríveis.
Falei com meus filhos, praticamente todos os dias, mesmo que por mensagem, ou watsap...ou um telefonema. Rimos bastante, porque não importa as distâncias, o importante é se fazer presente.
Também me conectei com meus pais , irmãos, aobrinhada toda... Fiz parte!

Revi antigos amigos, da época de colégio ( ensino médio) , por fotos. Nossa!!! Foi muito massa acontecer isso . Rimos muito, falamos muitoooooo! Trocamos fotos. Falamos dos nossos anseios. Do que fizemos durante esses mais de 20 anos...quem se casou...quem já tem netos...os que não tem...sobre quem está doente..quem se curou... Tudo  pelo celular, como se estivéssemos juntos. Foi incrível!!! Até marcamos um grande encontro pra esse mágico mês de Novembro. Será dia 14 , e não vejo a hora . ( outra expectativa) rsrsrsrsrsrsrsrrsrsrs.

Estou com uma sala de aula, pela primeira vez, na minha vida. Com os pequenos: 09/ 10 anos. Nunca imaginei que isso acontecesse e  a essa altura da vida, então, nossa!!! Mas foi umpresente. Presente de Deus, literalmente. Me encantei. Dei conta. Me realizei. Vi transformações acontecer. Bem ali, no meu nariz. Imaginem a realização pessoal! Caramba!!!  Trabalhei inclusão em sala de aula. Logo eu, que nunca passou por minha cabeça, vivenciar isso. Como assim???? E tirei de letra. Dei conta ! realização Total! Criei projetos. Venci obstáculos. Conquistei prêmios.

Mas enfim, Novembro chegou. Hoje! Chegou e me parece , com uma cara boa.. dessas que vai ser tudo tranquilo, mas que será rápido. Muita coisa ainda por fazer. estou ansiosa. Quero isso e muito mais. Ainda tem sonhos na bagagem que carrego e sei que preciso  realizar.  Não terei muito tempo. Mas o tempo que se colocar à minha frente , será totalmente ocupado, porque na bagagem tem lugares pra realizações plenas.

Estou feliz!  Pelo que já fiz! Por tudo que ainda vou fazer! Tudo em mim pulsa movimento e é esse movimento que ainda quero para novembro!!!
Que venha mais dias de ações para que os sonhos brilhem!!!
Chegou Novembro!!!!!










27 janeiro 2016

Pendurando as palavras num varal criativo


Essa semana entrei numa livraria e logo me deparei com uma criança chorando  . Como estava com pressa, não dei muita importância e  tentei me concentrar na busca por alguns livros que tinha em mente.  Anda daqui, olha acolá, e o choro ainda se fazia presente.
Não demorou muito  e como o choro continuava, repousei o livro que estava em minhas mãos, sobre o balcão lotado de bons livros e me virei para  que meus olhos pudessem encontrar  a cena  do menino que tanto chorava.
O  vi, tão pequenino, de bermuda jeans e sandálias creme e azul. Cabelo encaracolado e estava seguro pelas mãos firmes de sua mãe,  jovem, de chapéu  e também de bermuda jeans.  Seus cabelos dourados se misturavam ao belo sorriso ao presenciar o filho chorando por querer ler um livro. E como chorava! Pedia insistentemente por um livro. Ele , ainda tão criança, estava decidido ler um livro e ponto final.
Não acreditei no  que vi e fui logo perguntando sua idade. Então  soltei uma gargalhada ao saber que era tão somente  dois anos e três meses.  Me encostei no balcão e admirei a cena mais bela  que já tinha visto.
Ele escolheu o livro , na verdade, dois livros, com desenhos que ele lia com perfeição e repleto de entusiasmo.
Me lembrei do Manoel  de Barros,  que escreveu sobre o menino que carregava água na peneira.   A mãe do menino, falava sempre que carregar água na peneira era o mesmo que roubar o vento e sair correndo para ofertar aos irmãos. Que era o mesmo  que  catar espinhos na água ou criar peixes nos bolsos.  E assim, o menino sabia  que tinha que escrever e que escrever era o mesmo que carregar água na peneira. Escrevendo ele soube usar as palavras. Ele brincava com elas. Fazia peraltagens mil com elas. E brincando com as palavras , esse menino conseguiu  fazer até pedra dar flores.
Viajei por uns instantes  nesse encantamento todo de Manoel de Barros  e me voltei ao menino da livraria, que nesse  momento, já não chorava mais . Estava ocupado com a leitura do seu jeito único de ser.  Ele segurava  dois mini livros , com toda doçura e inquietude de menino que sabia muito bem  o que queria.
Ganhei o dia. Saí da livraria  com a certeza de que   devemos sonhar. Devemos  acertar o passo no compasso acertado todos os dias. Rasgarmos a alma no tudo que há de mais sublime e arriscarmos sempre para no final, acertarmos de maneira gloriosa. Saber brincar com as palavras deve ser missão honrosa dos que não tem medo algum de palpitar idéias mil , na plenitude da imaginação sem fim.
De agora em diante o que vale  é  pendurar todos os nossos sonhos num varal  cheio de encantos e poesia.
Bora lá pra mais um passo acertado, pois afinal, estamos aqui de passagem e que essa passagem seja  por caminhos de  arte e poesia.



15 janeiro 2016

Dois dedinho de Prosa...



Estava numa conversa com minha mãe  e entramos no assunto sobre a Guerra de Canudos...sei lá porque...kkkk ( nem me lembro como surgiu a prosa toda  ). Então, fui pesquisar porque também não lembro mais sobre o assunto e na minha santa ignorância até chutei ter sido no Sul , quando soou muitas gargalhadas no celular sobre o banco da  cozinha.
Corri pra frente do computador fazer a pesquisa e eis que chego a conclusão que tenho que retomar História do Brasil.
Começo por Canudos, a cidadezinha que ainda quero conhecer , que fica na Bahia. Depois, bem interessante saber a história do Antonio Conselheiro ( o beato  Conselheiro) que teve uma vida bem sofrida , não desistindo do sonho de tirar o povo da miséria.




Canudos é hoje uma cidadezinha pacata, com traçado planejado e ruas retas. Fica a 410 km de Salvador, junto ao açude Cocorobó, região Nordeste do estado. O município foi criado na década de 1980 e tem apenas 13.800 habitantes. Mas sua história vem do final do século XIX, com acontecimentos que abalaram o país. Um dos pontos turísticos mais visitados do sertão da Bahia, o município e a região foram palco de um dos episódios mais marcantes da História da Bahia: a Guerra de Canudos.

Tudo começou quando o beato Antônio Conselheiro encerrou sua peregrinação pelo sertão e fundou o povoado de Belo Monte, na Fazenda Canudos, em junho de 1893. Dois meses antes, seus seguidores foram atacados pela polícia baiana, e o conflito resultou em mortes dos dois lados. A partir daí, milhares de fiéis foram ao encontro do novo Messias na “Terra Prometida”.
O Conselheiro anunciava para breve o fim do mundo e não reconhecia o governo terreno da República recém-proclamada. Em apenas três anos Belo Monte  transformou-se na segunda maior aglomeração urbana do estado, com 25 mil habitantes, só perdendo para Salvador. Levas e levas de sertanejos pobres continuavam a abandonar as fazendas para ir viver no povoado, rezar, fazer penitência e esperar o juízo final. E o fim daquele mundo não tardou. Pressionado pelos coronéis e pela Igreja, o governo chamou o Exército para dissolver a comunidade mística.
A tarefa não foi fácil. O Conselheiro também preparava-se para se defender de um ataque do governo. Sua guarda era formada por jagunços convertidos. Por subestimar o poder de fogo dos sertanejos, o Exército foi derrotado na primeira, na segunda e na terceira tentativa. Quase dois mil soldados foram rechaçados, e o comandante da penúltima expedição foi morto em combate.
As forças federais e municipais, com armas de repetição, metralhadoras e canhões, não conseguiram tomar o povoado. A defesa era feita com espingarda de carregamento lento, facões e ferros de manejar gado. Só depois de mobilizar mais cinco mil soldados, tendo à frente dois generais, o Exército conseguiu tomar o povoado, que resistiu até o fim. Belo Monte foi completamente destruída em outubro de 1897.
Passados alguns anos, as pessoas começaram a retornar e reconstruíram o lugarejo, que passou a ser chamado de Canudos. Mas, em 1968, como que cumprindo a profecia atribuída a Conselheiro de que o sertão iria virar mar, Canudos foi invadida pelas águas represadas do Rio Vaza Barris. Hoje está a 40 metros de profundidade, sob os 250 milhões de metros cúbicos de água do açude Cocorobó.
Memória Viva
Os números de Canudos até hoje permanecem imprecisos. Sabe-se que morreu um mínimo de 10 mil pessoas, das 25 mil que viviam em Belo Monte. O Exército teve mais de duas mil baixas, entre mortos, feridos e desertores. Independentemente da tragédia humana ocorrida na Canudos de 1897, a verdade está expressa no testemunho vivo de Euclides da Cunha, na obra Os Sertões: "Canudos não se rendeu. Exemplo único em toda a História, resistiu até o esgotamento completo. Expugnado palmo a palmo, na precisão integral do termo, caiu dia 5, ao entardecer, quando caíram os seus últimos defensores, que todos morreram. Eram quatro apenas: um velho, dois homens feitos e uma criança, na frente dos quais rugiam raivosamente cinco mil soldados".

( Só um bocadinho da história de vida de Antonio Conselheiro)

Antônio Vicente Mendes Maciel nasceu em 13 de março de 1830, na cidade de Quixeramobim,interior do Ceará, então um pequeno povoado perdido em meio à caatinga do sertão central da paupérrima província do "Ceará Grande". Desde o início da vida, seus pais queriam que Antônio seguisse a carreira sacerdotal, pois entrar para o clero era naquela época uma das poucas brechas que os pobres teriam para ascender socialmente. Com a morte de sua mãe, em 1834, a meta de transformar Antônio Vicente em padre tem seu fim. Seu pai casa-se novamente; há registros de que a madrasta espancava e maltratava o menino severamente[carece de fontes].
  • 1855 – Morre o pai de Antônio, e ele é obrigado a abandonar os estudos e assumir o comércio da família aos 25 anos de idade; malogram de vez quaisquer sonhos sacerdotais. Estes negócios não vão nada bem (mais tarde Antônio será processado devido a não quitação de suas dívidas)[carece de fontes].

Alegoria representando o Conselheiro.

Revista Ilustrada, de Angelo Agostini, veículo de propaganda republicana durante o Império, retratava Conselheiro de forma caricatural, com séquito de bufões armados com velhos bacamartes, tentando "barrar" a República.
Exemplo de como a imprensa da época reagiu ao messianismo.
Em 1857 Antônio casa-se com Brasilina Laurentina de Lima, jovem filha de um tio seu. No ano seguinte, o jovem casal muda-se para Sobral, onde Antônio Vicente passa a viver como professor do primário, dando aulas para os filhos dos comerciantes e fazendeiros da região, e mais tarde como advogado prático, defendendo os pobres e desvalidos em troca de pequena remuneração. Passa a mudar-se constantemente, em busca de melhores mercados para seus ofícios; primeiro vai para Campo Grande (atual Guaraciaba do Norte), depois Santa Quitéria e finalmente Ipu, então um pequeno povoado localizado bem na divisa entre os sertões pecuaristas e a fértil Serra da Ibiapaba.
  • 1861 - Flagra a sua mulher em traição conjugal com um sargento de polícia em sua residência na Vila do Ipu Grande. Envergonhado, humilhado e abatido, abandona o Ipu e vai procurar abrigo nos sertões do Cariri, já naquela época um pólo de atração para penitentes e flagelados, iniciando aí uma vida de peregrinações pelos sertões do nordeste.


14 janeiro 2016

Olá gente querida...

Depois de um longo tempo sem passar por cá, retomo minhas atividades e agora é pra valer.
2015 foi pra mim, um ano bem complicado , por estar me reestruturando...mudando hábitos..me adaptando numa nova cidade, nova vida, novo trabalho e me dediquei a tantas mudanças e adaptações que não tive tempo para as escritas todas. kkkkkkk
Me propus a entender melhor meu marido  e então, me dediquei às orações, me limitando ao individualismo nesse sentido pois foi um tempo de reflexões ,para de fato mudar e foi bom!
Estive com meus filhos...curti minha mãe...e embora tão pouco tempo, foram momentos válidos , que me refizeram e estive bem.
Recebi minha irmã com a família em casa e fiquei muito muito feliz. Pasmem!!!! Até  minha mãe, que embora tenha passado por tratamentos difíceis , conseguiu me visitar e foi muito bom...fiquei muito feliz!
Viajei com meu irmão e tivemos altos papos sobre tanta coisa....Como foi bom!!!!
Tive que me moldar  ao novo emprego, porque lidar com pessoas é difícil e em especial , embora sempre tenha feito isso, tive que rebuscar novos métodos de entendimentos múltiplos e complexos, mas deu tudo certo no final.
Pois bem...entre tantos afazeres, ainda tive tempo para dedicar cuidados de ensinamentos e aprendizados à um doce menino que conheci e que passa parte da semana comigo.
Com meu pai, visitei amigos e minha tia paterna. 
Estive na casa de meus compadres, no interior e pude matar as saudades.
Também estive à frente de um Festival de Dança da escola que trabalho e conseguimos o  título vencedor.
Um amigo me deu a oportunidade de assistir um dos mais belos espetáculos de dança que já vi e encheu minha alma de encantos. 
Passei bons momentos com os novos amigos e curti demais a cidade que escolhi para morar daqui até quando Deus permitir.
Meu marido voltou a trabalhar na prefeitura e dessa vez através de concurso, já que anteriormente era por processo seletivo.
Recebi a irmã de meu marido com toda sua família e quanta prosa, momentos lindos!!! Amei!!! E estive com minha filha e meu genro  no casamento da minha sobrinha em Minas..um dos mais belos casamentos que já assisti!
Fiz tantos projetos na escola e embora não tenha concretizado todos, serviram de aprendizados que carregarei por toda vida. Valeu muito!
Para encerrar o ano, recebi filhos , amigos, família da minha norinha , genro,filhos do coração, os quais  chamo de filhos do avesso e sobraram abraços , risos e boas gargalhadas , em meio  a tantas alegrias acumuladas.
Natal, foi em família e então, estive  na casa de Mamys, e por lá não faltou afeto. Até contei com a ajuda carinhosa de uma amiga e do filho do avesso que me conduziram até o terminal rodoviário para que a viagem acontecesse.
Foi bem tumultuado o meu 2015, mas repleto de afeto e devo citar também, que papys bancou a consulta no oftalmo, minha eterna diretora ( do Jornal Giro), bancou o óculos...kkkkk e contei claro, com cuidados de tantos outros amigos, da minha prima que me presenteia o tempo todo com cuidados básicos de depilações..rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs...
É....2015 foi bem diferente...com tantas alterações, sustos com a saúde...mas Deus , como sempre, me carregou no colo e então eu consegui .
2016 chegou e com ele, a continuidade de mudanças....e estou pronta!
Daqui pra frente, estaremos juntos! Pra o que der e vier.!
Bora lá que muita coisa vai acontecer!

11 junho 2015

Muita criatividade com garrafa pet


Achei essa matéria na internet e decidi dividir com  todos vocês.
D. Neide é um senhora muito criativa, vizinha da minha irmã, que decidiu dar a sua contribuição para deixar o planeta com menos lixo. Nesse caso o “lixo” são garrafas pet que se transformaram em um jardim divertido, casinha de boneca e um inusitado quarto de hóspede, local em que seus 5 netos se divertem quando visitam a  “casa reciclada” da vovó. Além disso, D. Neide tem um ateliê e vende suas obras em um espaço muito colorido e cheio de ideias!
Confiram as criações da D. Neide:
Jardim
Assim que se chega na casa da Dona Neide, a surpresa fica por conta do jordim, todo colorido
Ela tem todo o trabalho de pintar, perfurar e transformar as pets
O jardim também tem mesinhas e luminárias
Depois do jardim, encontramos uma casinha de boneca
Olha que interessante a cortina, feita com tampinha de garrafa
A parte mais interessante da casa é o quarto de hóspede, lembrando até uma casa na árvore! A casa tem toda segurança de uma construção de alvenaria, com muita luminosidade e janelas grandes para ventilação. A estrutura das camas também são de garrafa pet. Confiram:
Chegamos ao ateliê Reclicar & Criar:
Pefeitas, nem parecem garrafa PET
Vasos, castiçais, porta pregador, tudo que a imaginação permite
Lucas e Renan se divertiram com os brinquedos inventados pela D. Neide
Olha ela aí, a autora das artes:
Para quem se interessar e estiver passando por Campo Limpo Paulista (cidade perto de Jundiaí), agende uma visita pelo telefone: 11-4038-7040. Ela também aplica oficinas em escolas e na casa dela.
Quem gostou, comente!!!!!!
No mês de agosto o (re)aproveite faz um ano!!!! Pretendo fazer um sorteio, mas só participa quem comenta!! :)