28 outubro 2014



Chapeleiro Maluco






Chapéus feitos pelo artesão são vendidos para garantir renda e ele viaja por todo Brasil.

Matéria retirada do G1 de 14/02 /2014.

Artesão diz que o país é repleto de belezas, mas problemas sociais  assustam.



Furgão carrega os nomes das cidades por onde o chapeleiro passou (Foto: Monique Almeida/G1)Furgão carrega os nomes das cidades por onde o chapeleiro passou (Foto: Monique Almeida/G1)
Ele não é um maluco qualquer. É chapeleiro por opção e amor pelo que faz. Durval Sampaio, ou apenas Du, de 32 anos, viaja há mais de um ano pelo Brasil dentro de um furgão verde, ano 1952, e se declara um apaixonado pelo país. Natural de São Paulo, ele chegou ao Tocantins há cerca de quatro dias, vindo do sul do Maranhão, e se instalou no distrito de Taquaruçu, a 40 km dePalmas.
Du conta que não se considera um chapeleiro maluco, mas que acabou recebendo esse apelido das pessoas que conhece por onde passa. "Não me inspirei em ninguém, tenho a própria vida como inspiração para o que faço", explica. Ele diz que o plano é viajar durante três anos e conhecer cada canto do nosso país.
Chapéus feitos pelo artesão custam em média R$ 98 (Foto: Divulgação/Du E-Holic)Chapéus feitos pelo artesão custam em média R$ 98
(Foto: Divulgação/Du E-Holic)
O chapeleiro é um amante de música, de todos os tipos, mas revela um apreço especial pelas músicas de Tom Zé, que é considerado até hoje como um músico de vanguarda. "Gosto de tanta coisa que nem sei dizer. Só que Tom Zé é o nome que me vêm a mente agora. Acho bem bacana as composições dele", observa.
Para viajar durante o período planejado, Du explica que guardou umas economias, mas que vive da venda dos chapéus que fabrica dentro do furgão, usando uma máquina de costura e a criatividade. Os chapéus vendidos por ele custam em média R$ 98. É com a venda desses acessórios que ele se mantêm. "Conheço tanta gente e acho maravilhoso. Algumas me oferecem um lugar para ficar e consigo fazer os chapéus lá, com mais tranquilidade", conta.
O artesão diz que passou por tantas cidades que já perdeu as contas. A maioria ele conseguiu registrar no furgão. "O Brasil é um país tão rico e bonito. Só que tem o lado feio também. Eu já vi crianças trabalhando como se fossem adultos. Os corpos delas nem chegam a se desenvolver direito por causa do trabalho. Tem também muita prostituição infantil que é muito triste porque todo mundo vê aquilo, mas ninguém faz nada", critica.
Artesão vende chapéus para garantir a renda e continuar viagem pelo Brasil (Foto: Monique Almeida/G1)Artesão vende chapéus para garantir a renda e
continuar viagem pelo Brasil
(Foto: Monique Almeida/G1)
Outro problema apontado pelo chapeleiro é o consumo de crack que, segundo ele, está se tornando um dos maiores problemas enfrentados pelo país. "Em todas as cidades por onde passei existe esse problema. Claro que é fácil se encantar com a beleza peculiar desses locais e, no entanto, é difícil não olhar para isso", completou.
Du conta que vive no furgão e que passou apuros com furtos. Uma vez, ele explica, em uma visita a São Luís (MA) arrombaram o veículo e levaram todo o material que tinha dentro. "Foi complicado. Consegui recuperar algumas coisas, mas a maioria foi levada."
Sobre os planos para o futuro Du fala que não tem nada programado. "Por isso tento não me apaixonar por ninguém. Não sei o que será depois dessa viagem. Conheci mulheres interessantes e até me relacionei com algumas e é complicado porque uma hora eu tenho que colocar o pé na estrada."
A saudade da família e a solidão da estrada não impedem o artesão de seguir o objetivo dele. "Converso com minha mãe sempre. Estou indo para Goiânia buscar minha irmã. Depois disso continuo no meu caminho, sem fazer muitos planos, apenas seguindo em frente", finalizou.
Chapeleiro foi recebido por artistas de circo em Taquaruçu, distrito de Palmas (Foto: Monique Almeida/G1)Chapeleiro foi recebido por artistas de circo em Taquaruçu, distrito de Palmas (Foto: Monique Almeida)

Nenhum comentário: